terça-feira, 16 de setembro de 2014

Menage em dias de furor




Três dias ininterruptos, meus rapazes de costume, clientes, ricos e charmosos, na Villa do Amor Secreto, nas férias de suas famílias, mulheres, filhos e filhas ao longe, liberdade, libertinagem, anarquia, eles podem agora ser o que querem ser, eles podem agora ser o que eu quiser que sejam, eu a Rainha Magnífica, o objeto de seus desejos, a sua musa sexual, puta, macha, amiga, amante, acima de tudo a sua confidente, mais do que outra coisa, sua cúmplice, aquela capaz de levá-los aos prazeres que não conhecem, que apenas imaginam, às posições de cama que nunca pensaram existir. 




Eu lhes ensinei tudo o que sei, eu os adestrei para o meu próprio prazer, eu lhes ensinei que o meu prazer é lhes dar prazer, e que o prazer deles é o meu prazer, eu cobro caro desses rapazes porque eu valho o que me pagam, cada dólar faturado é um prazer infernal que nunca pensaram ter com suas fêmeas medíocres, pelas quais eles criam esse falso respeito que impede machos burgueses de serem o que devem ser e assim eu inicio três dias de delírio, nos quais fodemos até à exaustão, nos quais perdemos a conta de tantos  quantos orgasmos e ejaculações acontecem, nos quais mal paramos para comer, beber, dormir, nos quais só paramos à beira do desmaio, próximos ao colapso, sem nenhum bom senso, apenas interessados em caralhos duros, bucetas penetradas, cu arreganhado, penetrações, chupadas e chupões, dedadas e cusparadas, a porra que se derrama pelos corpos, o gozo que é bebido como néctar, os mijos sorvidos como como champagne, a champagne que é bebida nos corpos tremulentos, na minha buceta escorrida e peluda, nos pintos duros deles, babados e túmidos, gostoso de chupar, deliciosos de sentir entrando corpo adentro, maravilhosos quando são batidos no meu corpo excitado, magníficos quando por mim punhetados, quando jorram porra para cima, quando lançam o sêmen para o ar, e depois esfregam-nos na minha cara de puta, aos palavrões. 




Soam altos os xingamentos mútuos, destratos recíprocos, tapas, maltratos e beijos, calores corporais intensos, sem fim, suores fatais, estocadas carnívoras que me aplicam, mordidas canibalescas que respondo, gritos, uivos e gemidos, nos animalizamos, me entram atrás, conpensam na frente, rolamos aos estertores em mares de prazeres, regados a porra e gozo, babas e cuspes, todos os fluídos possíveis de nossos corpos insatisfeitos, dos desejos e imaginações de nossas mentes criativas e sem limites, fodemos como loucos, eu dou, tudo, me arde o cu, é gostosa a sensação de frescor quando o caralho é retirado, é adorável a sensação de preenchimento no inevitável e ansiado retorno, que se sucedem sem parar até me inundarem buceta e cu ao mesmo tempo, até eu sentir, como cadela, cachorra vagabunda, o meu orgasmo mais forte, que prenuncia o meu vício proprietário e único, uma sequência inevitável que me levará à total perda de razão, ao enlouquecimento que tanto os agrada, eu me deixo levar, fico louca e gozo aos esguichos para gáudio deles que se sentem machos.



Então, minha exigência final, meu preço inegociável, estabelecido desde sempre, que eles cumprem com gosto, aquilo que eu mais desejo ver, o amor entre eles, incentivado pela Rainha, as chupadas, o domínio de um pelo outro, quando prevalece um como comedor sobre o outro fodido. E deliro vendo seus belos corpos se encaixarem, vendo um pau penetrando na bunda do outro enquanto o pinto deste se ergue como mastro majestoso, como símbolo maior de minha realização sexual. Eu os domino em dias repletos de cheiros, aromas, gosmas, grudes, suores, putarias, vulgaridades e indecência, acima de tudo, dias de furor.




segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Tudo

Quero tudo, quero todos, todos os caralhos, todas as punhetas, toda a porra do mundo, eu quero, eu desejo, Rainha poderosa eu lhes ordeno  e eu os ordenho, sobre mim, sobre o meu corpo, na minha buceta, entre as coxas, na minha boca, quero esse Bukkake sem fim, quero pintos duros ejaculando, a maravilhosa visão da porra que sai em jatos desses paus duros, dessa liquido viscoso e branco que se esparrama e se derrama sobre mim, que me mela, que umedece e transforma meu corpo em magnífico receptáculo de prazer e de taras, que me enlouquece ao mesmo tempo que eu enlouqueço todos, Rainha majestosa que se compraz no prazer de seus machos, que coleciona pintos, e gemidos, que ama os tremores dos corpos em seus orgasmos, que sente, amorosa, o palpitar dos caralhos quando expulsam em golfadas a porra represada e controlada, que sente finalmente todo o semen que se espalha por esse universo sem fim, na exploração total e ininterrupta do meu próprio corpo generoso, de minha boca pressurosa, de meus pensamentos pecaminosos, de minha indecência congênita, de minhas perversões que vocês amam.