domingo, 18 de junho de 2017

Descontrole V


Ouso tudo, nada peço, tudo ordeno, de Rainha são meus deveres,
Não fodo pelos modelos, eu trepo, como e dou, eu, ninfa, crio.
Use o corpo acaricie-o, acredite, a vida nos dá poucos prazeres,
Se os que, roube-os, prenda-os dentro da buceta, qual cadela em cio.

Ouse, ouse tudo!m Seja na vida o que és, imoral e libertina, 
Sem princípios nem vergonha, apenas ceda às tentações, 
Coisa que existe por si, que arde no cú, como em transa matutina,
Sinta entre as coxas, na bunda e na boca todas essas sensações.

Ouse, ultrapasse, vá adiante no pecado, ame suas perdições. 
Chupe, engula um pau, sinta o prazer de deixar gozar,
Sinta n boca a porra dos caralhos em plenas abluções.

Ouse mais, escarre tudo, em plena agonia, um vigor único. 
Submeta quem te fode, domine-o, ensine-o a se sujeitar, 
E desfaleça vendo um pinto pulsante, ejaculado e lúbrico.










3 comentários:

  1. Uma abrasa com muita tesão :)))

    Beijos melados

    ResponderExcluir
  2. Um poema poderosíssimo, forte...excitante. Imagens belas :-)

    Beijoos

    ResponderExcluir