segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Prosa poética III




Vivo, secreta, para prazeres secretos que devo descobrir,
Nesta vida de puta, recôndita, que desejo ensandecida,
Erótica, desmedida, desejosa de pica, de ansiosa me abrir,
A prazeres, e tesões, ideia dentro de mim emudecida.


Voluptuosa e fêmea degenerada, transexual em meu foder,
Aceito-me tarada, sem limites burgueses religiosos em minha mente,
Amoral e insatisfeita, eterna pesquisadora do gozo e do prazer,
Tudo dou tudo concedo, tudo tomo e uso, trepo indecentemente.

Libertina descobridora de chupadas de buceta,
Provocantes de squirts, inauditas beberagens,
Líquido para a sede de quem morre de afliceta.

Porra e mijo se misturam, foda ruidosa em putaria completa,
Tudo se espalha e molha os corpos em sacanagens,
Que rolam, esfregando-se enquanto cada qual se locupleta.


8 comentários:

  1. Estas espectacular en esta imágen MariAngela!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Especialmente en la exterior nocturna. Pareces una pantera😍

      Excluir
    2. À espreita de um macho.......rss

      Excluir
  2. saio daqui sempre excitado com os seus poemas. O que paga é o WC, lool
    .
    Deixando um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. apenas um abraço?
      quero ver esse pau duro....rrss

      Excluir