quinta-feira, 13 de setembro de 2018

A Arthur III




Montada em teu corpo dominado
Derrubarei a infinita servidão de mulher,
Viverei para mim em teu espírito subjugado
Te usarei, comandarei como eu quiser.

Descobriras comigo o desconhecido meu putão,
Comerei você e tua macha me tornarei,
Nossos mundos intangíveis se encontrarão,
Quando com meu pau sempre duro te penetrarei.

E juntos encontraremos o que não sabemos,
Coisas estranhas, insondáveis, repugnantes,
Mas deliciosas, nós as teremos e entenderemos,
Quando eu te penetrar, como elegantes amantes.

Te enrabarei e teu pau punhetarei,
Minha língua tua orelha adentrará
Em tua nuca, arfante, meus dentes cravarei,
Como pequena serpente que louco te fará.









2 comentários: